Romain Colors, o “expert” por detrás de IVIVE, a inovadora coloração de René Furterer

Em Setembro chega ao mercado IVIVE, a primeira coloração de René Furterer. Orgânica, vegan e desenvolvida por e para profissionais, IVIVE promete revolucionar o mundo da coloração! Para perceber o que é que IVIVE traz de inovador e o que a torna tão singular, a Tom Sobre Tom falou com o “mestre”, que esteve presente nas várias etapas do seu desenvolvimento: Romain Colors.

 

A cosmética consciente é uma das tendências que marcam actualmente o sector. Foi este o drive que conduziu ao lançamento de IVIVE?

Sim, exatamente. Com IVIVE queríamos alcançar uma coloração eco-consciente, mas que respeitasse os códigos da profissão, ou seja, o nosso objectivo era garantir resultados, com uma fórmula fácil de aplicar e que o sistema de numeração das cores fosse facilmente reconhecido, tal como acontece na coloração de origem química. Com IVIVE procuramos também que a coloração de origem vegetal seja mais acessível a um maior número de cabeleireiros.

Tendo em conta a crescente oferta de coloração de origem natural o que é que torna IVIVE verdadeiramente inovadora e diferenciadora?

É a primeira coloração de origem natural que foi desenvolvida com o contributo de um colorista especialista em coloração orgânica. Durante o desenvolvimento desta coloração foram registadas cinco patentes, que envolvem tecnologia exclusiva e inovadora, que foi aperfeiçoada pelos laboratórios de René Furterer e coloca IVIVE na vanguarda das formulações derivadas da “química verde”. Enquanto produto de coloração, o que é mais diferenciador nesta nova fórmula é a textura. IVIVE é uma coloração em gel, o que a torna mais fácil de manipular e aplicar, garantindo resultados num curto espaço de tempo.

Porquê designar IVIVE por “tratamento” profissional de coloração em vez de “serviço” profissional de coloração”?

A coloração de origem química é mais agressiva para o cabelo e apesar dos muitos agentes cosméticos presentes, que tentam restaurar e proteger o cabelo, a verdade é que acaba por se sentir, mais tarde ou mais cedo, a deterioração da fibra capilar. A coloração vegetal IVIVE é diferente, é um 2 em 1. Além de não deteriorar a fibra capilar, ainda contribui para a saúde do cabelo porque tem activos de origem natural muito poderosos que têm o objectivo de cuidar do cabelo, ao mesmo tempo que os pigmentos naturais cumprem com o serviço de coloração. IVIVE é, por isso, simultaneamente, um tratamento e uma coloração.

O que significa ser “um ritual de coloração num único passo”?

No desenvolvimento desta coloração a nossa missão foi simplificar. Na coloração vegetal clássica, por exemplo, somos obrigados a fazer uma máscara com argila para retirar os resíduos do cabelo. Com IVIVE basta lavar com um champô á base de argila e a aplicação do pigmento é feita numa só passagem, desde a raiz às pontas.

“Com IVIVE queríamos alcançar uma coloração eco-consciente, mas que respeitasse os códigos da profissão.”

E os tempos de pose podem ser diferentes na raíz e no comprimento?

Depende sempre de cada cabelo. No entanto, o tempo de actuação de IVIVE é um pouco mais curto do que nas colorações químicas. Nos tons mais claros, nos louros por exemplo, o tempo de posse é de cerca 30 minutos. Já nos tons castanhos e mais quentes, o tempo de pose está estabelecido entre 30 e 45 minutos.

Referem que o pigmento de IVIVE é formulado a partir de 4 plantas: Henna, Sorgo, Gardénia e Clorofila. Qual destes ingredientes funciona como activador/revelador e que substitui o “diabolizado” amoníaco?

Na extração de ingredientes activos, isolámos os taninos, que são descolorantes, uma molécula e ainda um ingrediente que é a goma xantana, que funciona como estabilizador. O encontro desses agentes faz a vez do amoníaco, mas numa fórmula que funciona como um escudo para o cabelo, que ao conferir-lhe um PH ácido, ajuda a selar a cutícula e a reconstruir a fibra capilar, garantido um cabelo brilhante e sedoso. O que nos leva a poder afirmar que é um tratamento “protector” de coloração.

Romain afirma que IVIVE pode mesmo a vir substituir a coloração tom sobre tom de origem química. O que está na base desta afirmação?

A coloração vegetal IVIVE comporta-se tal como a coloração tom sobre tom de origem química, mas tem vantagem adicional: não oxida. O que é óptimo, quer para nós coloristas pelo resultado, quer para a cliente para quem a coloração se mantém inalterada por mais tempo. Adicionalmente IVIVE, oferece ainda um grande cuidado de restruturação e protecção ao cabelo.

Mas o objectivo é vir substituir outras colorações ou acrescentar serviço ao salão?

Estamos convencidos de que IVIVE marcará um ponto de viragem. Numa época em que as clientes são mais exigentes e preocupadas com os efeitos que os produtos têm na sua saúde e na do planeta, IVIVE, enquanto coloração vegetal, consciente e sustentável, vem dar mais opções de escolha às clientes. Por exemplo, as clientes grávidas, ou doentes oncológicas podem fazer coloração com IVIVE, porque a aplicação é segura. IVIVE apresenta-se assim como uma oferta para os profissionais chegarem a mais clientes, sobretudo nos salões que estão a dar os primeiros passos na introdução de produtos sustentáveis e orgânicos. Além disso IVIVE não é limitativa porque pode ser conjugada com coloração de origem química.

Em que situações é que será benéfico recorrer a essa situação de conjugar ambas as colorações?

Por exemplo, podemos fazer uma coloração de origem química numa cliente para uma maior cobertura de brancos e depois criar highlights com a coloração tom sobre tom de origem vegetal IVIVE. Outra situação que pode acontecer é fazer-se uma coloração de origem química e depois fazer um retoque da raiz com IVIVE, por exemplo.

E o preço, será mais elevado?

Devido ao processo exigente pelo qual esta coloração passa e pelos benefícios que lhe estão associados, não sendo apenas “mais um” serviço de coloração, torna esta coloração um pouco mais dispendiosa, em que os benefícios e resultados compensam seguramente.

“Esta é uma coloração que aposta no brilho delicado e natural e em contrastes harmoniosos, conseguidos pelo jogo de reflexos.”

Qual é o perfil da cliente IVIVE?

A cliente IVIVE é aquela cliente que procura resultados, fazendo escolhas responsáveis e eco-conscientes. É a cliente que já costuma comprar produtos bio e que se preocupa tanto com a saúde do cabelo como do planeta.

Vê no mercado masculino um potencial cliente de IVIVE? Como é que olha para este mercado e como é que IVIVE responde aos seus desejos?

Normalmente os homens procuram os serviços de coloração para cobrir os brancos na totalidade e não para criar reflexos. Por isso IVIVE, por si só não é a coloração ideal. No entanto, é um mercado que gostaríamos de explorar, porque IVIVE pode ser utilizada como correção de cor, ou seja, para melhorar os tons grisalhos ou brancos.

O que esteve na base de inspiração para os 7 tons lançados?

Sou um profissional que adora coloração, mas tal como um “artesão”, aprecio sobretudo o efeito natural. Esta é uma coloração que aposta no brilho delicado e natural e em contrastes harmoniosos, conseguidos pelo jogo de reflexos. Por isso o meu foco foi criar tons mais suaves, mais naturais, mas também mais frios. Idealizei uma colecção que refletisse a naturalidade, mas ao mesmo tempo que fosse uma coloração muito viva em termos de reflexos.

A oferta de “apenas” 7 tons não poderá ser limitativa para a criatividade dos coloristas?

O objectivo de IVIVE é garantir resultados. No entanto é possível criar uma paleta de cores mais versátil a partir da combinação dos tons disponíveis, para que os profissionais possam dar asas à criatividade. Quando criámos IVIVE esse aspecto da criatividade foi importante, porque a maior parte das colorações vegetais não é possível misturar com coloração de origem química, é algo muito raro. Mas IVIVE não só é compatível com a coloração de origem química, como também é compatível com os descolorantes químicos.

Pode ser aplicada a qualquer tipo de cabelo? Aos mais escuros por exemplo, que são a grande maioria dos cabelos da Europa do Sul onde se insere Portugal?

Sim claro. Pode ser trabalhada em qualquer cor de cabelo, numa coloração tom sobre tom.

Qual a duração média desta coloração? E o que pode influenciar a durabilidade da cor?

Ao compararmos a coloração tom sobre tom de origem química, com a vegetal, o ponto positivo da IVIVE é a baixa manutenção que exige. Como não oxida, a cor mantém-se mais fiel aos reflexos obtidos e por isso as visitas ao cabeleireiro são mais espaçadas. Mas depende de cada caso e das rotinas de lavagem que se tem em casa.

Que técnicas de coloração são possíveis de utilizar?

Podem ser aplicadas todas as técnicas de coloração clássica. Quando se faz madeixas, por exemplo, o tempo de pose é maior, mas é possível. Só é necessário formar os profissionais, porque há técnicas e todo um know-how que são necessários adquirir.

Que plano de formação exige IVIVE a um profissional que queira ter esta coloração?

A formação tem de ser pensada em duas fases: uma iniciação à coloração vegetal, porque é importante compreender o que é e como funciona, para se conseguir identificar quem são as potencias clientes de IVIVE.  e numa segunda fase formar os cabeleireiros, de forma a dotá-los de técnicas para tirar partido de todo o potencial que IVIVE oferece e conseguirem ir mais longe com esta coloração.

 

Leave a Reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *


Artigos Relacionados